terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Homem Aranha está em Florianópolis

Quem passava pela rua Felipe Schimidt hoje no centro de Florianópolis parava para ver o show do Homem Aranha. Falando alto e mostrando o boneco de borracha de 9 cm que faz escaladas na parede, Antônio Eduardo, 41, vendia o seu produto. "Homem Aranha, homem aranha, ele pula, não arranha", chama o vendedor autônomo.

Há 10 anos, Edu -Homem Aranha- ganha a vida vendendo o super-herói. Cada um custa R$ 2,00 e a mercadoria vem do Paraguai. Ele conta que um amigo lhe traz a encomenda, pois não compensa fazer as viagens. Pergunto-lhe se ele tem outra renda, quanto tira por mês com as vendas. E ele me diz que não pode revelar, mas que vive dos pequenos bonecos. Hoje, ele só vende o Homem Aranha.
O boneco Willi -do segredo invisível- foi seu primeiro produto, com quem ganhou as ruas e diz que aquele era diferente, pois deixava as pessoas instigadas. "Tinha um truque e só revelava para quem comprava".

Em 20 minutos de trabalho, ponto em frente a uma loja de CD's, uns 10 bonecos foram parar nas mãos de crianças ou de pais, que levariam para presentear alguém. Todos que param, compram. E quem não para porque tem pressa, quebra o pescoço para assistir de graça o show do vendedor-artista.

Assista um pedacinho do show
video


Quem é o Homem Aranha?

 src=Natural de Minas Gerais, Antônio Eduardo estudou até a 8ª série e conta que trabalhava como taxista em sua cidade, Montes Claros. "Tenho dom de trabalhar na rua, de ser comediante, as pessoas sempre me falavam". O vendedor-artista afirma que ganha bem mais como autônomo.

Segundo Edu -Homem Aranha-, um dia em 1999 foi é a exceção. "Vendi apenas R$ 1 real e fui embora". Isso nunca tinha acontecido com o vendedor de super-heroís. "Mas, no outro dia voltei e vendi R$ 100 reais".

Além de MG e SC, Edu já levou o Homem Aranha para Bahia, Paraná e SP, onde tem residência fixa e a mulher lhe espera. "Vim pra Florianópolis agora por causa da temporada e depois volto para levar dinheiro para a mulher, se não ela não me deixa entrar", brinca o vendedor.

A entrevista termina, Edu -Homem Aranha- volta ao trabalho. Em segundos as atenções voltam para ele. "O show continua pessoal, homem aranha, homem aranha..."


(Para quem quiser encontrar o vendedor-artista na internet, no orkut seu nome é Homem Aranha 41. Pelo telefone: 48 8802-3416 e 48 8822-5105)

4 comentários:

  1. Minha flor, parabéns sua iniciativa de contar as histórias de pessoas que não notícia. Para mim, particulamente, essas são as melhores histórias. Sugiro, se puderes, entrevistar o galhudo lá do centro. Aquele que anda com um megafone, sabe?

    Super beijo!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Amanda, beleza de idéia.
    Qdo eu fazia jornalismo na ufisqui a gente tinha um jornal (Futio, indispensável) e tínhamos uma coluna chamada 'Gente quié pípou' onde eram feitos perfis de gente 'famosa' q não era tão famosa assim. Uma vendedora de loteria, um funcionário da Celesc q colecionava fotos com famosos. Uma pá de gente interessantíssima fora da mídia. Gostei, POsso te linkat lá no xinelão?
    bju

    ResponderExcluir
  3. eu tinha um bixo desse quando eu era pequena

    ResponderExcluir